Violência contra manifestação!


Na última sexta-feira um protesto, contra a visita de Obama, organizado pela CSP-Conlutas, pela Assembleia Nacional dos Estudantes-Livre - ANEL e por diversos sindicatos foi sofreu violenta repressão policial.
O protesto é parte de uma jornada nacional, que inclui atos em outras cidades e tem como objetivo denunciar a visita de Obama, a entrega do petróleo, os acordos de livre comércio com o governo brasileiro. Também pretende apoiar a revolução árabe e denunciar os ataques do imperialismo aos povos do mundo, como no Iraque, e que agora se repete na Líbia.
Desde o início do protesto os policiais demonstravam que não o tolerariam. Apenas depois de uma longa negociação, de quase duas horas, a passeata pôde prosseguir.
 
A manifestação contou com cerca de 400 pessoas pelo centro do Rio de Janeiro. A passeata parou em frente ao consulado dos EUA e no momento em que estavam reunidos em um grande círculo, os manifestantes e os jornalistas escutaram uma explosão ao fundo e foram surpreendidos com o avanço da polícia, que atacou com cassetetes, atirou com balas de borracha e lançou bombas de gás e depois perseguiu os manifestantes pelas ruas vizinhas. As cenas desse momento foram gravadas por manifestantes e estão no site do PSTU.
Dezenas de pessoas ficaram feridas e entre 12 e 15 manifestantes foram presos. Entre eles, um estudante, menor de idade.
A polícia declarou que coqueteis molotov foram jogados contra os policiais, atingindo um segurança do Consulado. Sobre isso as entidades que organizaram o ato declararam que não concordam ou apoiam atitudes como essa no ato, convocado como uma manifestação totalmente pacífica.
Este espírito pacífico era compartilhado pelos manifestantes. Já que transformar a passeata em uma batalha apenas favoreceria o imperialismo, evitando que se discuta as verdadeiras intenções da visita.
A ação policial derruba por terra qualquer respeito à liberdade e os direitos humanos e indica uma criminalização dos protestos, ao melhor estilo dos Estados Unidos. Um exemplo foi dado na delegacia, quando policiais exibiram suas “apreensões”: uma garrafa de cerveja que teria sido usada como parte de um coquetel molotov e um soco inglês. Para que a imprensa fotografasse, foi colocada uma bandeira e um cartaz do PSTU, atribuindo responsabilidade sobre os ataques. Desde quando uma bandeira, um símbolo de um partido político pode ser apresentado como algo criminoso?
Se faz urgente que haja uma investigação e uma resposta do governador Sergio Cabral e de seus secretários de Segurança e de Direitos Humanos sobre os fatos desta sexta-feira. Imediatamente, devemos exigir a libertação de todos os presos.
Devemos fazer um grande repúdio à violência ocorrida no ato e à criminalização dos que lutam. São os primeiros presos políticos do governo Dilma.
Trata-se de mais um episódio de criminalização dos movimentos sociais.
Devemos assinar o abaixo assinado online: Abaixo-assinado Libertação imediata dos 13 presos políticos, que protestavam contra a visita de Barack Obama ao Brasil. . É um texto democrático que pode ser assinado por todos.

Precisamos de uma resposta rápida em defesa de nossos companheiros!!!

Leia também:
Comentários
0 Comentários

Imprimir ou salvar em pdf

Leia Também