Estudo revela os crimes ambientais e trabalhistas na cadeia produtiva do aço

Siderúrgicas do polo de Carajás, grandes exportadores de ferro gusa, usam carvão do desmatamento e do trabalho escravo nos processos produtivos.  A prática contamina toda a cadeia produtiva do aço e chega a montadoras de veículos, fabricantes de eletrodomésticos, de aviões e de computadores.  As informações são do relatório lançado hoje (22), pelo Instituto Observatório Social.
 
A pesquisa intitulada "O Aço da devastação" foi coordenada pelo jornalista Marques Casara e revela dados vergonhosos na produção do Aço no Brasil.  O trabalho de reportagem começou em Nova Ipixuna (PA), onde, no dia 24 de maio, foram assassinados José Cláudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo, que denunciavam a devastação da floresta para produzir carvão e madeira.

A pesquisa detalha como operam grupos criminosos do qual fazem parte empresários, políticos e servidores do governo do Pará.

Em seu trabalho, Casara mostra que em algumas siderúrgicas, o uso do carvão ilegal sustenta mais da metade de toda a produção.  Essa conclusão foi possível após a obtenção de dados referentes à produção anual de cada siderúrgica em 2010.  Essas informações eram mantidas em sigilo para evitar o cruzamento de dados e a obtenção do índice de ilegalidade.

A fraude acontece por meio da compra de carvão esquentado por mecanismos de fraude diretamente ligados à corrupção nos órgãos de fiscalização.  Grandes siderúrgicas exportadoras estão envolvidas, como Cosipar, Sidepar, Margusa e Gusa Nordeste.

A pesquisa revela ainda diversos casos nos quais o carvão é entregue sem documento ou com o uso de documentos forjados e como governos municipais e o governo estadual é conivente com crimes ambientais e trabalhistas, muitas vezes usando aparatos de Estado para acobertar ações criminosas que tem o objetivo de devastar áreas de preservação ambiental e terras indígenas.



Comentários
0 Comentários

Imprimir ou salvar em pdf

Leia Também