No Planeta Elite não tem crise

Najar Tubino

Como disse o ex-premiê Silvio Berlusconi se os aviões estão lotados e há filas nos restaurantes, não tem crise econômica. Na Itália, além disso, para comprar o último lançamento do carro esportivo Lamborghini Aventador a espera é de 1,5 ano. E os utilitários custam US$ 400 mil. Um outro italiano, Sérgio Marchionne, presidente da Fiat, também comentou na feira de automóveis de Frankfurt, na Alemanha, em setembro:

- Quando estava na estande da Ferrari não ouvi nenhum cliente chorando por causa da crise.

Para o planeta elite, que usufrui das benesses e dos produtos do mercado de luxo e seus 191 bilhões de euros (número de 2010), os problemas econômicos do capitalismo moderno não existem. Muito pelo contrário. O Brasil, por exemplo, recebeu a visita de dois presidentes de grifes mundiais importantes, recentemente: Ives Carcelle, da Louis Vuitton e Pierre Pringuet, da Pernod Ricard. A LV francesa, conhecida por suas bolsas de couro bovino, custam em média quase 3 mil dólares, está ampliando o número de lojas no Brasil, de seis para nove. A maior delas substituirá a do Shopping Cidade Jardim, e terá 1.000 metros quadrados.

Em dois anos, o cliente poderá personalizar os acessórios, ou seja, escolher cinco modelos básicos no computador, depois monta os outros ingredientes, como cor e tipo de couro. Lógico que o preço aumenta, entre 5 e 7 mil reais. Se for couro de crocodilo, o preço dobra. A Louis Vuitton faz parte do conglomerado de luxo do bilionário francês Bernard Arnaut, também acionista do Carrefour. O LVMH (Louis Vuitton, Moet, Hènessy), fatura mais de 20 bilhões de euros anualmente. O bilionário este ano resolveu estender seus contatos a outra marca histórica francesa, a Hèrmes, e comprou quase 20% da empresa, através de ações de terceiros, o que deixou a empresa em pé de guerra. A Hèrmes ainda é controlada por grupos familiares, desde a fundação no século XIX. A sua mais famosa bolsa, a Birkis, custa US$7,5 mil. É feita de couro de bezerro, que por sinal, teve um aumento de mais de 20%, em 2011. Tudo é fabricado manualmente.

GARRAFA DE CRISTAL E OURO

O Brasil emergente do planeta elite recebeu um simpósio de luxo - Hot Luxury -, no mês de novembro em São Paulo, patrocinado pelo jornal inglês, Herald Tribune, coordenado pela editora de moda, Suzy Menkes, figura carimbada do mercado de luxo mundial. Segundo um dos participantes, controla vendas de outlet de luxo na Europa, as grifes, hoje em dia, estão atrás do mercado "aspiracional", normalmente de clientes que gastam mais do que tem. Uma prática que já foi abandonada entre os países ricos, onde as empresas querem é a minoria abastada, que procura exclusividade no luxo. Ou como diz Ives Carcelle não vai ser pela desvalorização das bolsas de valores que os clientes vão deixar de comprar uma bolsa ou um par de sapatos.

De qualquer forma, o Brasil já faz parte do grupo dos 10 clientes mais importantes no mundo da Louis Vuitton, uma definição definida pela empresa, em decorrência das compras dos brasileiros nas butiques da Europa e Estados Unidos. O Brasil também é o segundo mercado, atrás dos americanos, no consumo da vodca Absolut, um dos carro-chefe da Pernod Ricard, que também está inaugurando uma loja no Shopping Cidade Jardim.

- O Brasil tem condições de estar entre os 10 mercados mais importantes da Pernod Ricard. Nós esperamos que a classe média brasileira continue comprando nossas marcas com valor agregado, aumentando o padrão do consumo", disse Pierre Pringuet.

Ele quer que os brasileiros troquem o uísque Natu Nobilis pelo Ballantaines ou o Chivas 12 anos, uma troca de quase 30 reais por R$110. A Pernod também está lançando a vodca Absolut Elyx, ao preço de R$390. Agora, para integrar o planeta elite tem que comprar uma das 50 garrafas do uísque Royal Salute 62 Gun Salute, de cristal e pintada a ouro, custa R$10 mil. Durante o mês de dezembro, a Pernod está distribuindo kits no Cidade Jardim. Ela também é dona da marca Orloff e diz que repaginou a vodca, do tipo popular, chegará ao mercado com nova embalagem, a preços irrisórios (R$21,90).
O luxo também terá de 15 a 20% das 212 lojas do no Shopping JK, do grupo Iguatemi, será inaugurado em março de 2012.

RELÓGIO DE US$3 MILHÕES

No JK, segundo Carlos Jereissati, estreará a grife francesa Goyard, fabricante de malas e bolsas mais luxuosas que a Louis Vuitton. Fundada em 1853, a Goyard só tem 12 lojas no mundo, nos principais mercados do luxo: Estados Unidos (4 butiques) e 48,1 bilhões de euros, seguido pelo Japão (4 butiques) e 18,1 bilhões de euros. As outras quatro estão na Europa. O mercado chinês é o terceiro em faturamento, 9,6 bilhões de euros. O Brasil, segundo a projeção da Bain & Company, que faz a pesquisa mundial do luxo, é um mercado de 2,3 bilhões de euros.

Só para se ter uma ideia da expansão do negócio. A Louis Vuitton dobrou de produção nos últimos cinco anos. Em 2011, o mercado de luxo crescerá 10%. Dividindo por segmento, os índices são os seguintes, ainda conforme os dados da consultoria: artigos de couro l6%, sapatos 11%, joias 15% e relógios 20%.

Sobre relógios foi constatada uma nova tendência, as mulheres estão comprando como investimento. A Omega lançou o Ladymatic ao preço de US$42 mil. Vamos dizer que é um padrão mediano. A Hublot vendeu um modelo cravejado de diamantes por US$3 milhões. E pretende colocar no mercado em 2012 o relógio mais caro da história: US$5 milhões, com 300 quilates de diamantes. Trata-se de um modelo extravagante, tipo milionário asiático ou do Oriente Médio, os que mais compram. Para clientes finos e arrojados, mas sem ostentação, indica-se um modelo da IWC Schaffahausen, única marca suíça no leste do país, onde se fala alemão.

Ela tem relógios básicos a partir de US$4 mil. Mas o melhor modelo foi lançado recentemente: o Portuguese Sidérale Scafusic, levou 10 anos para ser desenvolvido. Tem calendário perpétuo, marca horário sideral, diferente do solar, um mapa atrás em movimento, com as estrelas visíveis no horizonte. É o mais caro da fábrica suíça - US$750 mil, é produzido somente por um relojoeiro, Stefan Brass. A Suíça exportou em 2010, 7 bilhões de euros em relógios. Na conta estão quase 1 milhão de Rolex.

PROBLEMA EXISTENCIAL DA MERCEDEZ

Para completar o quadro, de um segmento muito sensível do mercado de luxo. A Scoth Whisky Association, da Escócia, anunciou que as vendas cresceram 22% no primeiro semestre de 2011. O Brasil importou R$125 milhões em garrafas, nesse período. No mundo, em 2010, os escoceses venderam 569 milhões de garrafas. Mesmo ímpeto é registrado no mercado de carros de luxo. A BMW manteve a liderança no ano passado vendendo 234.175 BMW mini e 196.004 da série 1. A Audi vendeu 2.332 mil e a Mercedez Bens 222.400 das marcas A e B. A Mercedez vive uma crise existencial, como disse o presidente executivo, Dieter Zetsche:

- É impossível dizer aos nossos clientes, funcionários e investidores que temos que aceitar o terceiro lugar".

A Mercedez sempre liderou o mercado de luxo no mundo. Perdeu a posição nos últimos anos. Lançou até um compacto da marca B-class por 26 mil euros, na Europa, onde o S-class custa 72 mil euros. A Porshe vendeu 100 mil carros este ano, aos europeus em crise.

A Universidade de N. York fez uma pesquisa durante dois anos e meio, e chegou a seguinte conclusão:

- Os poderosos não prestam atenção nas outras pessoas.

Para ilustrar a síntese da pesquisa, vamos citar alguns números.

No caso do Brasil. Segundo a Merryl Lynch Global Wealter Management e a Consultoria Capegemini são 155 mil brasileiros com US$1 milhão disponíveis para investir. O Brasil é o décimo primeiro na lista dos milionários do mundo. Porém, é o mercado que mais cresce, inclusive acima da Ásia - 28% nos últimos 12 meses. Segundo a Associação Brasileira de Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima), até junho de 2011 eram 64.260 clientes com investimentos no chamado "private banking".

38.095 MILIONÁRIOS NO BRASIL

O volume de recursos aplicados por esse seleto grupo atingiu R$421,8 bilhões. No primeiro semestre deste ano, ingressaram no clube milionário mais 1.036 pessoas. Os motivos são conhecidos: maior circulação de dinheiro entre empresários, altos executivos, consultores e profissionais liberais. Além dos resultados para muitos interessados em fusões e aquisições de empresas. Para quem não sabe um presidente executivo no Brasil ganha uma média de R$2 milhões por ano. Um diretor executivo na faixa de R$240 mil. Estão no topo mundial, às vezes, acima dos ricos desenvolvidos. Hiram Maisonave, vice-presidente do BNP Paribas, banco francês, que atua no Brasil, detalha quem são os participantes do "private banking":

- Não são mais apenas os empresários, altos executivo, ou herdeiros de grandes fortunas. O crescimento econômico desencadeou uma mudança de patamar na renda de profissionais liberais, como médicos, engenheiros, arquitetos, advogados e consultores".

São Paulo, tradicionalmente, concentra o maior número de milionários, mais de 50%, em dinheiro são R$233,53 bilhões sob gestão. Há uma expansão na região norte cresceu 34,1% e no centro-oeste 25,6%, mas em termos de volume de capital não se compra: R$8,47 bilhões no centro-oeste e R$1,26 bilhão no norte. O economista Márcio Pochmann do Ipea (Instituto de Pesquisas Econômicas Avançadas), em um trabalho sobre as famílias mais ricas do país, disse que as 5 mil no topo da lista, possuem um patrimônio equivalente a 40% do Pib, o que daria mais ou menos R$1,65 trilhão.

A Receita Federal tem um estudo detalhado sobre o patrimônio dessas famílias: 997 contribuintes tem patrimônio superior a R$100 milhões; 1.327 entre R$50 e R$100 milhões; 5.047 entre R$20 e 50 milhões; 10.168 entre R$10 e R$20 milhões e 26.206 entre R$5 e R$10 milhões. Se aprovassem um imposto sobre fortunas no Brasil, ele recairia sobre 38.095 contribuintes, e uma alíquota de 1,5 poderia arrecadar R$22 bilhões.

A ILUSÃO ACABOU

Agora vamos examinar o lado, digamos, mais traumático do planeta elite. A crise em Wall Street. A primeira notícia: redução de 30% no bônus anual. O presidente do Fundo de Hedge (risco), Navigator Group, Charles Stevenson, mora perto da praça Zucotti, local dos acampados de Nova York. Ele mora no condomínio Park Avenue, junto com muitos outros membros do planeta elite. Ele declarou ao The Wall Street Journal:

-Não acho que é hora de ganhar dinheiro, este é um momento de nos prepararmos para sobreviver. O futuro não vai ser como um passado que conhecemos. Não há saída deste atoleiro".

Fundos de risco, gestores de patrimônio e, principalmente, os bancos de investimentos, que aprontaram as peripécias que resultaram na maior crise financeira estão com problemas. Um diretor executivo da empresa de recrutamento Options Group, o chamado "headhunter", caçador de talentos, foi tomar um chá com um corretor, de um dos cinco bancões americanos, em um hotel de N. York. A queixa do corretor, de 27 anos, diplomado na Universidade de Ivy League: só ganharia os mesmos US$500 mil de bônus do ano passado e teve que trabalhar mais em 2011. O comentário do caçador de talentos:

-É muito desmoralizante para as pessoas, especialmente para gente jovem, com curso superior, que veio para Wall Street embalada em sonhos de tornar-se milionário e não conseguir".

Mesmo com a queda no valor dos bônus, o Goldman Sachs, que é o maior banco de investimentos do mundo, separou US$10 bilhões para distribuir aos seus 34,2 mil funcionários, uma média de US$292.836 para cada um. Isso é mais que 10 vezes a renda dos 49 milhões de americanos classificados na faixa de pobreza - famílias com dois filhos e renda anual de US$22 mil.

O cenário negativo de Wall Street estão nas demissões. O Bank of America já avisou que vai demitir 30 mil até o ano que vem. Mesmo número do HSBC, maior banco do Reino Unido. O BNP Paribas, maior da França vai demitir 1,4 mil e o Unicredit, maior da Itália, outros 6.150 funcionários. A Agência Bloomberg fez um levantamento sobre as demissões nos serviços financeiros em todo o mundo.

Serão 220 mil, bem maior que os 174 mil em 2009. Os motivos: maiores exigências de capital, pelas regras que entrarão em vigor em 2013, o fracasso dos produtos financeiros exóticos e a redução de negócios com carteira própria. O presidente do Conselho de Administração do UBS, maior banco suíço, Kasper Villiger, comentou o caso:

- Muitos banqueiros de investimentos estavam convencidos de que estamos vivendo hoje um período limitado, em que tudo está um pouco mais difícil, mas depois o velho mundo retornaria. Mas agora essa ilusão acabou".

DE QUEM SÃO OS IATES?

Na América do Norte os bancos, seguradoras e administradores de recursos já anunciaram 50 mil demissões em 2011, mais que o dobro do ano passado, ainda longe dos 175 mil cortes de 2008. Na Europa as companhias financeiras já anunciaram 125 mil demissões, quase o dobro das realizadas em 2008. O número de funcionários da City de Londres e no Canary Wharf, os distritos financeiros, cairá para 288 mil (27 mil a menos), considerado o menor nível desde 1998.

No final de 2011, os corretores e gestores de patrimônio de Wall Street não estarão tão seguros na hora de fazer a piada para turistas, que chegam na baía do rio Hudson e se espantavam com a quantidade de iates. Os turistas perguntavam: quem são os donos desses iates? Ao que o povo de Wall Street respondia - são os corretores e gestores de patrimônio. E os turistas retrucavam: e onde estão os iates dos clientes? Desmancharam na comissão de 2% fixa que os profissionais cobram, além de mais 20% sobre o desempenho.

CHINESES RICOS QUEREM SEGURANÇA

Sobre os pouco mais de 500 mil chineses com renda acima de US$1 milhão para investir circulam muitas informações de extravagâncias. Mas surgiu uma nova tendência. Procurar residência fixa nos países ricos como Canadá, Estados Unidos, Inglaterra, Austrália. Em 2011, quase 3 mil chineses pediram visto de investidor para se fixar nos Estados Unidos. O candidato precisa ter US$500 mil para investir e dar emprego a 10 americanos em dois anos. Em 2007, foram apenas 270 chineses. Boston é uma das cidades escolhidas, assim como Vancouver, no Canadá. Os chineses do planeta elite argumentam que procuram segurança, como empreendedores, não sujeitos à mudanças na legislação ou rupturas políticas.

Na China, mais de 800 empresas licenciadas de serviços de emigração orientam candidatos como proceder em entrevistas, para obtenção do visto. A Well Trend United, de Pequim, cobra US$30 mil por cliente, tem 10 escritórios nas maiores cidades chinesas e 400 consultores, já conseguiu mais de 10 mil vistos desde que iniciou a operação, no final dos anos 1990.

Um problema dos ricos chineses é documentar o patrimônio, principalmente, a origem dos bens. Como a maioria deles não gosta de pagar imposto, como afirma Gao Tang, da empresa de emigração Harmonia Capital," temem ser pegos se tiverem que informar sua renda total".

A verdade é que os ricos chineses, na maioria, tem uma ligação oficial com governantes e tem um "pecado original para conseguir seu primeiro balde de ouro", como comentou outro empresário que tem uma fábrica em Xangai e não quis se identificar, para a revista Business Week.

O medo na verdade é das tensões sociais, que estão se acumulando na China. O número de conflitos entre trabalhadores ou populações despejadas de áreas em obras tem duplicado nos últimos anos. Os chineses não esqueceram que em 1949, na revolução maoísta, mais de um milhão de proprietários foram mortos. Alguns deles, alegaram que a qualidade do ensino nas universidades americanas e canadenses é melhor, que a poluição é um problema grave e existe uma insegurança na hora de consumir alimentos, em consequência do uso de venenos. Sem contar que os filhos dos revolucionários de 1949 andam desfilando de ferraris, lamborghinis e maseratis nas ruas de Pequim, perto do Estádio do Trabalhador, onde se concentram boates e discotecas. Na China, mais uma vez, tem se divulgado com frequência a expressão "fen fu", ódio aos ricos e seus desmandos.

CHAMPANHE DE 130 MIL EUROS

Um dos legítimos representantes do planeta elite é o hotel Cheval Blanc, na estação de esqui construída pelo bilionário Bernard Arnaut em Courchevel (França). É preciso ter US$10 mil dólares para pagar o helicóptero de Genebra até o hotel, com 34 quartos, lotação de 90% entre os meses de dezembro a abril. A maior percentagem de hóspedes são novos ricos russos, país onde 40% da população está na linha de pobreza. Depois são britânicos, franceses e tem mais brasileiros do que americanos. As diárias variam de 1.130 euros a 20 mil euros.

- O luxo é uma experiência natural para nós, diz o diretor geral, Philippe Gourgan, à agência Bloomberg. Não se sente recessão em nossos quartos".

A única preocupação com a inflação é a do gás hélio injetado em balões prateados, recheados de chocolate, que ficam nos quartos. Por 47 mil euros o abastado pode usufruir de um nascer do sol com uma garrafa da safra 1947 do famoso Chatêau Cheval Blanc, de Bordeaux, e posteriormente, tomar um café regado a trufas negras. O hotel tem um chef três estrelas no guia Michelin, uma ceia de Uannick Alleno, com pombo cozinhado no vapor, grãos de cacau derretido em cenouras e cogumelos temperados com favas de cumaru, está no menu. Mais importante: por 130 mil euros, o somelier Sebastian Labe abrirá uma champanhe "Nabucodonosor St Emilion Premier Grand Cru clase 1990", de 15 litros.

Não há um limite em que o luxo torna-se absurdo. Os homens precisam sonhar no Cheval Blanc. Imagine o tipo de sonho. O porteiro Jean Batiste Ran atendeu a um desses pedidos. O hóspede queria comer bolo fresco. Não qualquer bolo fresco. Tinha que ser de uma padaria de Zurique, na Suíça, exatos 924 km ida e volta. O porteiro mandou uma limousine buscar dois bolos frescos de creme em 10 horas.

O Cheval Blanc é estiloso. As camisetas polos dos funcionários chamados de jogadores são tecidas com casimira de pelos de cabra. Funcionários andam pelo hotel fumando charutos cubanos e, dentro de uma iurta mongol, adornada com chifre de cabrito montês da Saboia, carregam conhaque Armagnac, de 100 anos. No balcão do bar de três metros, esculpido em gelo, o cliente pode tomar a sua vodca.

- O Cheval é um clichê, uma dramaturgia de momentos táteis, prazeres perfumados, na qual os hóspedes com óculos escuros para não serem reconhecidos, perambulam pelas dependências como se fossem instalações de um museu", registra o colunista da Bloomberg.

ANÚNCIO DE CÃES NA TV

Para encerrar este relato uma informação de um segmento dos mais resistentes à crise financeira. A Nestlé, maior empresa de alimentos do mundo, com 400 fábricas e faturamento mais de US$100 bilhões, com participação de quase 25% no mercado de alimentos para animais de estimação, chamados de pets. É um mercado que faturou em 2009, logo após a quebra do Lehman Brothers, US$53 bilhões, as vendas aumentaram 9%, nesse ano. O último lançamento da Nestlé é um anúncio para televisão já veiculado na Alemanha e lançado na Áustria, em outubro. Trata-se de uma peça publicitária dirigida diretamente aos cães de sofá. Ou seja, o anúncio emite sons de alta frequência e tons agudíssimos, que provocam frenesi nos animais. O resultado é óbvio: o cachorro corre para a frente da televisão e fica pulando, querendo comer a ração Benefuel.

Na Alemanha aumentaram as vendas. O mesmo deve acontecer na Áustria. Interessante é que no Reino Unido não existe promoção de alimentos pets. Lá é comum satirizar os donos de animais domésticos por gostarem mais deles do que dos filhos. Por sinal, no Reino Unido e no Japão já existem mais animais de estimação do que crianças. A Nestlé deve lançar em breve um sorvete especial para cães e um ipad de jogos para gatos.

Tem mais: nos Estados Unidos, a Qualcom, empresa especializada na produção de chips de rádio, lançou um novo produto, o Tagg, custa US$200. É um acessório usado em coleiras com GPS (sistema de posicionamentos global). Nos Estados Unidos são criados 77 milhões de cachorros e 10 milhões se perdem por ano. O equipamento tem bateria válida por 30 dias.

Fonte: http://www.cartamaior.com.br
Comentários
0 Comentários

Imprimir ou salvar em pdf

Leia Também