A produção da (des)informação sobre violência

Logo abaixo segue o link para o download do artigo de Kathie Njaine, Edinilsa Ramos de Souza, Maria Cecília de Souza Minayo e Simone Gonçalves de Assis, intitulado "A produção da (des)informação sobre violência: análise de uma prática discriminatória" que realiza uma reflexão crítica da qualidade da informação sobre violência no Brasil, destacando algumas das principais fontes primárias de dados: as Secretarias de Segurança Pública e de Polícia Civil e as Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde. O Município do Rio de Janeiro é abordado como um “caso” exemplar nesta análise. Parte das hipóteses de que: (a) no processo de produção dessa informação, a geração, sistematização e divulgação são de má qualidade, banalizadas, espetacularizadas e discriminatórias; (b) os dados são tratados como instrumento de domínio privado e não como uma prestação de serviço ao público e refletem uma estrutura institucional autoritária e burocratizada. Constituem-se em (des)informações esvaziadas de significado sócio-político, insuficientes para informar à sociedade sobre a real expressão da violência e para a formulação de políticas públicas. Como conclusão, destaca a necessidade de que: 1) as informações sobre os eventos violentos sejam valorizadas desde o seu registro até o seu uso social; 2) os profissionais e as instituições envolvidas com o tema transformem estruturas e mentalidades no sentido de uma ação integrada e consciente do seu papel social; 3) a sociedade se organize e atue em conjunto contra a violência e pela valorização da vida humana.

Comentários
0 Comentários

Imprimir ou salvar em pdf

Leia Também