Algumas palavras sobre “O menino e o mundo”


Poético e sofisticado, O menino e o mundo é, sem dúvida, um dos melhores filmes brasileiros lançados em anos recentes. Escrito, dirigido e editado por Alê Abreu, este desenho animado surpreende pelo lirismo, pelas imagens impactantes e por sua crítica veemente ao capitalismo globalizado. O longa-metragem de oitenta minutos de duração, que começou a ser preparado em 2010 e estreou três anos depois em Ottawa, Canadá (no Brasil, seria lançado no começo de 2014), tem feito uma trajetória digna de sua qualidade artística. Entre os mais de trinta prêmios que ganhou estão aqueles recebidos no 38º Festival de Annecy (França), na Mostra de Lisboa (Portugal) e na de Havana (Cuba), só para citar alguns. Em meio a todo o lixo produzido pelo cinema nacional nas últimas décadas, O menino e o mundo é um alento. Esteticamente impecável, a narrativa trabalha diferentes temas de modo sutil e ao mesmo tempo, provocador.

O cinema de animação tem sido dominado por filmes de grandes corporações, como a Disney/Pixar. Histórias fracas, pueris e açucaradas, que reproduzem a ideologia dominante norte-americana, através de personagens estúpidos, a partir de enredos convencionais: esta tem sido a marca dos trabalhos criados por megacompanhias deste tipo (que, por sinal, controlam a distribuição para a maioria das salas de exibição em boa parte do mundo). As novidades nas telas, por sinal, são quase sempre acompanhados do lançamento de bonecos, brinquedos, DVDs, roupas, jogos eletrônicos e outras quinquilharias. Em outras palavras, uma indústria multimilionária, que retira do objeto principal (o filme), vários subprodutos comercializáveis, quando a qualidade da obra em si é bastante questionável, para não dizer pífia.

Já O menino e o mundo é um caso distinto. Começando pelo visual. A equipe de artistas responsável pela fita utilizou uma diversidade de técnicas, como colagens, lápis de cor e giz de cera que, mesclados, dão uma textura diferente e vanguardista ao trabalho. Até mesmo trechos de cenas reais, retirados de filmes de cineastas como Jorge Bodanzky, Orlando Senna e Leon Hirszman, entre fragmentos de outros documentários que retratam a poluição e a devastação da natureza, são incluídos na obra. Ou seja, este é um filme de artesãos, que opera numa lógica muito distante da linha de produção computadorizada e homogeneizadora de Hollywood.


Os cenários fantásticos, por outro lado, claramente nos remetem a obras de Joan Miró e Georges Braque, enquanto a música de Ruben Feffer e Gustavo Kurlat (a partir de ritmos tão distintos como o samba e o hip-hop e que conta com a participação de Naná Vasconcelos), assim como a canção do rapper Emicida (ao final, nos créditos), completam a atmosfera por vezes alegre, por vezes lúgubre da narrativa. Além disso, não há diálogos claros (as poucas falas são realizadas em português “invertido”, incompreensíveis; ainda assim, mostram a capacidade do filme de se comunicar em qualquer meio cultural).

Não há palavras suficientes para elogiar a beleza da película. É possível compararO menino e o mundo com os clássicos dirigidos pelo soviético Yuri Norstein, The Hedgehog in the Fog e Tale of Tales, apesar de todas as diferenças de época, de técnicas de produção e das próprias narrativas.

O enredo conta a história de um menino da zona rural que vê seu pai partir em busca de trabalho na cidade grande. Inconformado, o garoto sai mundo afora, sozinho, atrás do progenitor. Seu universo imaginário é certamente mais belo e lúdico do que a realidade que o cerca: ele sonha constantemente; imagens de uma infância idealizada surgindo na mente de uma criança… Mas ele acorda de seudaydreaming e acaba confrontado com tudo à sua volta.


Em sua peregrinação (que é, por que não dizer, uma odisseia de autodescobrimento), se depara com a exploração dos trabalhadores no campo, dispensados por fraqueza ou enfermidades; com a falta de perspectivas; com a desigualdade social; com a pobreza; com os lares desfeitos; com a destruição da floresta; com a opressão; com o desemprego; com a automação; com as favelas; com os efeitos da migração; com a violência institucionalizada. Todos são triturados pelo cotidiano esmagador, no qual as paisagens industriais estão repletas de seres alienados por TVs gigantes e vitrines de lojas de roupas. E também por apresentadores de telejornais sempre sorrindo enquanto enganam os espectadores. Prostitutas e “futebol” (na verdade, um jogo similar, estilizado) completam o cenário. Os homens, sempre vigiados por um Estado policial, militarizado, fascista, que não hesita em enviar tanques e soldados com escudos e cassetetes para garantir o controle social sempre que necessário: o pássaro negro espreita a todos… Um mundo, sem dúvida, desumanizado e selvagem, com empresários, “coronéis”, patrões, executivos… e onde até as máquinas, trens, carros blindados, navios e guindastes se parecem com animais.

No meio disso tudo, o pequeno e esquálido menino, querendo carinho, afeto e a reunião de sua família. Talvez quisesse mais do que poderia ter.

O garoto vê o trem que levara embora seu pai (uma espécie de centopeia de metal, que fuma cachimbo), corre atrás dele, chega à estação. A porta se abre e ele se depara com o homem que tanto procurava! Mas, em seguida, outro idêntico sai do vagão, e logo depois, mais um. Uma decepção. Todos iguais, clones, indivíduos padronizados pelo sistema: uma massa amorfa, pasteurizada, hipnotizada, robotizada que vai ao trabalho em ônibus e composições sem questionar. A realidade é cruel. Nunca se reunirá com seu pai…

O final é triste, mas esperançoso. O menino retorna ao lar, para crescer e partir novamente para a cidade grande em busca de serviço. Ele seguirá o mesmo caminho do progenitor, um círculo vicioso que não se rompe… Anos mais tarde volta para o interior, só para encontrar sua casa em ruínas, esquecida e abandonada. Agora é um senhor idoso, alquebrado e cansado, que só tem as memórias como consolo. Mas ao se recordar do passado com seus velhos e rememorar as brincadeiras de infância, parece encontrar algum conforto. E a possibilidade de um mundo melhor.

***

Luiz Bernardo Pericás é formado em História pela George Washington University, doutor em História Econômica pela USP e pós-doutor em Ciência Política pela FLACSO (México). Foi Visiting Scholar na Universidade do Texas. É autor, pela Boitempo, de Os Cangaceiros – Ensaio de interpretação histórica(2010) e do lançamento ficcional Cansaço, a longa estação (2012). Também publicou Che Guevara: a luta revolucionária na Bolívia (Xamã, 1997), Um andarilho das Américas (Elevação, 2000), Che Guevara and the Economic Debate in Cuba (Atropos, 2009) e Mystery Train (Brasiliense, 2007). Seu livro mais recente é Intérpretes do Brasil: clássicos, rebeldes e renegados, organizado em conjunto com Lincoln Secco. A Boitempo prepara para 2016 o ambicioso Caio Prado Júnior: uma biografia política, de Luiz Bernardo Pericás. Colabora para oBlog da Boitempo mensalmente, às sextas-feiras.
Comentários
0 Comentários

Imprimir ou salvar em pdf

Leia Também