O governo neoliberal quer cortar ou não na nossa carne?


Por João Ricardo

Vejo que há uma argumentação infrutífera dos boldonaristas (1) sobre a negação dos cortes e a afirmação de que é contingenciamento na educação. Em primeiro lugar temos que ter em mente que muitas teorias podem aparecer como lógicas, mas se testadas ou colocadas em análise no conjunto da realidade e da história mostram suas disfunções.

O governo atual é tributário do Estado Mínimo e de teorias conspiratórias. Quando o ministro da Educação, Abraham Weintraub, veio com o tal discurso do contingenciamento disse que eram CORTES e que as universidades viviam de balbúrdia (2), assim como sempre foi normal de Boldonaro e de seus asseclas definirem as universidades como lugares onde a esquerda domina (só dar um Google para achar muita matéria da direita dizendo isso, não vou me prestar ao desserviço de postar esses links aqui – até o guru máximo da inteligência boldonarista ataca frequentemente a universidade).

É importante deixar claro que na maioria das discussões a direita brasileira se distancia da universidade e da ciência pois sabe que suas teses são anticientíficas. Falar que o aquecimento global é uma tese esquerdista da teoria globalista ou do marxismo cultural é um exemplo (3).

Uma coisa é você enganar o debate público de uma eleição com uma série de notícias falsas e de falsas teorias. Então você pode fugir de todos os debates e se acovardar nas redes sociais com notícias ligadas a pós-verdade, normalmente de origens “anônimas” (4). Na pós-verdade não interessam os fatos, mas os sentimentos, como a raiva, o medo, o ódio, etc. Contudo, encarar a realidade concreta é ter que analisar os problemas reais. Quando você elege um governo despreparado, com teorias da conspiração e com ideias que não se encaixam na realidade e na história, um dos resultados mais prováveis será o enorme problema de governabilidade (5).

Muitos defensores de Boldonaro ou da direita se utilizam de muita estratégia argumentativa, mas não sabem encarar a realidade. Desde 2016 que estamos com governo de direita (ou ao menos centro direita – Michel Temer), inclusive muitas pessoas foram às ruas pedir impeachment de Dilma e também se mostraram favoráveis às políticas de Temer (6). O MBL foi a favor de muitas medidas temerárias, se posicionou contra Temer apenas nas notícias de corrupção. A reforma trabalhista é uma dessas pautas, pois seria a necessária maneira para a retomada dos empregos e do crescimento (7). Algo que não se concretizou, assim como cobrar as bagagens não diminuiu o preço das passagens aéreas (8), outra historinha para boi dormir.

Há uma série de argumentos e teorias da direita liberal que não se encaixam na realidade porque a realidade não é simplista (há também uma série de teorias da esquerda que fogem da realidade). Existem diversas condições que são responsáveis pelos acontecimentos históricos e sociais, mas grande parte da direita (principalmente grupos de pessoas que são financiadas não para pesquisar, refletir ou discutir a realidade, mas para dar credibilidade e manter o status quo, principalmente advogando a centralidade do deus mercado) tende a reduzir o debate e a fazer slogans de ideias que vão prejudicar a classe trabalhadora.

Qual é a teoria da direita brasileira hoje? A direita diz que o Estado deve ser diminuído, porquê? Porque na visão dela o Estado é ruim para o mercado, ou seja, quanto mais Estado menos possibilidade para o mercado agir. Muito facilmente podemos perceber que não são teorias neutras ou humanistas, são teorias pró-mercado. Sendo assim, o que está no centro é a importância do mercado e de seu equilíbrio.

Neste sentido, Bolsonaro, se seguir a lógica que preside seus ministros da Economia e da Educação, vai investir mais na educação pública ou vai diminuí-la e dar espaço para educação como mercadoria, educação privada?

Claro que depois de todas as críticas, os governistas passaram a dizer que era “apenas” contingenciamento, também passaram a afirmar que o problema veio dos governos anteriores e etc. Contudo, o próprio ministro da Educação é tributário das ideias de Olavo de Carvalho, do liberalismo e contra o tal “marxismo cultural”. Bolsonaro chegou a dizer: “aquele pessoalzinho que cortei verba” (9). Ou seja, nem mesmo o próprio governo sabe distinguir entre corte e contingenciamento, além do mais, as pessoas deste governo foram favoráveis em muitos pontos com as políticas de Temer, assim como são uma continuidade e aprofundamento destas políticas neoliberais.

Há no poder uma turma que escolheu uma nova forma de ver a sociedade. Na verdade, não é uma nova forma, é a forma capitalista mais extremada, mais radical. Para essa visão as pessoas são apenas consumidoras e não cidadãs, o Estado é ineficiente e por isso devesse abrir tudo para o mercado, vender as estatais, privatizar tudo, etc. Essa forma de ver a sociedade aposta no individualismo e odeia a solidariedade e o coletivismo. São pessoas que, em geral, acreditam na tese do “fim da história” e na ideia de que o capitalismo é natural. Assim, para tais apologistas, não podemos pensar uma sociedade pós-capitalista porque o individualismo e o capitalismo estariam na essência da natureza humana egoísta e individualista. Apesar disso, tentam nos conformar de que fomos feitos a imagem e semelhança de Deus. Parece que houve algo errado no caminho...

Ainda pior, existe uma massa que odeia o debate honesto, que diz que todos que criticam Boldonaro são petistas ou esquerdistas. Imaginam que suas ideias, que em tese seriam ocidentais e judaico cristãs, formariam uma tal “lógica” inigualável que sai de suas cabeças privilegiadas, sendo a única correta e infalível e de que todos/as que vão contra essa lógica são desonestos e malvados. Discordar do que essas pessoas pensam é querer destruir o planeta, a religião cristã e ainda ser ajudante de satã. Percebam caros leitores, admitem que partem de um determinado ponto de vista para depois afirmar que esse é um ponto de vista natural e indiscutível. Por isso desejam acabar com debate, acabar com a crítica e acabar com a esquerda. Anseiam acabar com a universidade também, pois querem algo que forme pessoas apenas para o mercado de trabalho: “não pensem, trabalhem”.

Tem funcionário público que pede o fim do Estado. Tem funcionário público que estudou em universidade pública e agora diz que tudo tem que ser privatizado, que não deve mais existir universidade pública. Tem gente que acha que as coisas devem ser pensadas e praticadas conforme as vontades que saem de suas cabecinhas iluminadas. Depois de se beneficiarem de políticas públicas, agora não estão nem aí para outras pessoas que delas necessitam. Muitas pessoas não têm condições de superar a desigualdade sem uma prestação positiva do Estado, mas os neoliberais, depois de já estarem formados e ganhando bem, acreditam que o Estado deve ajudar somente o mercado.

Pensar só em si mesmo não me aparece como um atributo que mereça destaque ou orgulho. Não me aparenta demonstrar tal iluminação da mente sábia achar que tudo deve girar a partir da sua vida ou do que você acha certo. Não me parece leal acreditar que depois de você ter se beneficiado os outros que se explodam...

A sociedade e o Brasil são muito maiores do que, por exemplo, uma pessoa que não sabe o que são os estudos de gênero e vomita impropérios de “ideologia de gênero”. Por que não estuda a respeito? Sabia que têm pessoas que passam anos estudando todas essas coisas? Entende que não é igual ler uma notícia do whatsapp e achar que desvendou a realidade do mundo? São estudos de dias, meses, anos, de noites mal dormidas, de cobranças, de prazos, de depressão e de muito esforço.

Vejo muita discussão com pessoas que sabem escrever bem, mas que parecem que não ter lido um único livro crítico na vida. Meu amigo e minha amiga, antes de fazer as teorias que saem das suas cabecinhas privilegiadas, inteligentes e sábias, pensem em ler a respeito do que vão falar, pensem em ir conversar com pessoas pobres que não tiveram condição de estudar em universidades públicas ou tempo para estudar e passar em um bom concurso, pensem em refletir não apenas sobre sua vivência imediata, mas considerar o conjunto dialético da realidade material, em considerar outros pontos de vista e outras vivências, outras realidades e outras dificuldades.

Talvez realmente seja complicado querer mostrar algo para quem não quer ver, mas é plausível explicar que a ideologia não está somente em quem discorda de você. Acho até justo que defendam teorias que não sejam as mesmas que as minhas, mas tentem colocar essas teorias em diálogo com a realidade. Tentem entender que as teorias que saem de suas cabecinhas não são teorias válidas somente porque você é o/a dono/a da razão, se estudar sobre metodologia científica verá que há muitos requisitos para chegarmos a resultados bons e honestos. Por isso precisamos de uma comunidade acadêmica, mas também precisamos que tal comunidade acadêmica não se distancie da realidade e da sociedade, não precisamos de teorias que nada têm a ver com a realidade. Não adianta ouvir um velho louco que mora nos EUA e achar que ele tem razão porque sabe falar boas frases de efeito e muitos xingamentos (10).

Construir um país melhor, uma sociedade melhor e um mundo melhor não significa adequar a realidade ao que você pensa, pelo contrário, demanda muito trabalho, esforço, diálogo, estudo, mudanças de hábitos e de honestidade para encarar a realidade a partir de uma sociedade dinâmica, plural, desigual, de valores que mudam e de poucas imanências. Se querem encher a boca para dizer que não faz sentido discutir entre direita e esquerda, deveriam então parar de encher a boca para defender a direita e o capitalismo e refletirem mais sobre as teorias e práticas que podem nos levar a melhores caminhos. Para que defender cegamento o capitalismo como se fosse algo natural ou religioso? Fazer críticas é normal e importante, até mesmo porque a maioria das sociedades do planeta são capitalistas e a maioria dos problemas que nos afligem na atualidade advêm do capitalismo e, no máximo, se distinguem de uma visão de capitalismo com mais Estado ou com menos Estado.

Para finalizar, quero deixar claro que, na minha visão, é óbvio que se tratam de cortes, porque é isso que um governo liberal quer, cortar o Estado ao máximo (garantir o Estado Mínimo), garantir os juros aos rentistas, abrir espaço para o individualismo do mercado, transformar todos os direitos em mercadorias que deem lucros formidáveis, garantir a boa vida dos acionistas, etc. Dizer que é contingenciamento é uma manobra e uma tática, igual a mãe que diz ao filho: “na volta a gente compra”.

Notas:

(1) 'Boldonaro': hashtag a favor do presidente vira piada e gera suspeitas no Twitter. Hashtag #BoldonaroNossoPresidente, com a grafia errada do nome do presidente, alcançou os primeiros lugares dos trending topics no Brasil e gerou memes e suspeitas sobre o uso de robôs. https://odia.ig.com.br/brasil/2019/05/5644004--boldonaro---hashtag-a-favor-do-presidente-vira-piada-e-gera-suspeitas-no-twitter.html

(2) “Universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”, continuou Weintraub ao jornal. https://oglobo.globo.com/sociedade/mec-vai-cortar-verba-de-universidades-que-tiverem-baixo-desempenho-fizerem-balburdia-23631766.

(3) para o novo chanceler brasileiro, por exemplo, "globalismo" é a "configuração atual do marxismo", da qual o Brasil e o mundo precisam se libertar. "É a globalização econômica que passou a ser pilotada pelo marxismo cultural", afirmou o chanceler, em textos de seu blog Metapolítica 17. https://www.bbc.com/portuguese/internacional-46786314.







(10) Vejam essa seleta de afirmações erráticas de Olavo de Carvalho que incluem: a ONU apoia o terrorismo, Pepsi é feita com fetos abortados, há uma conspiração comunista global e o movimento gay é parte dela, a Lei da Inércia é falsa e Isaac Newton era burro, há livros ensinando crianças fazer sexo oral com elefantes, o Brasil hoje é uma ditadura comunista, a mídia apoia os gays para promover o controle populacional, o marxismo nasceu do satanismo, Darwin é o pai do nazismo, a web foi criada para combater o ateísmo, o ser humano não precisa de cérebro pra viver, o nazismo e FMI são de esquerda, Bill Clinton era um agente de Pequim, os EUA entraram no Vietnã para perder, há 40 milhões de comunistas no Brasil, cigarro não dá câncer (ele é um fumante inveterado), não há diferença genética entre humanos e chimpanzés na gestação, o empresariado nunca se organizou politicamente, a ditadura foi branda e tinha eleições democráticas, o General Geisel era comunista (https://blogdaboitempo.com.br/2018/10/15/olavo-de-carvalho-o-ideologo-de-bolsonaro-contra-o-professor-haddad/).

Comentários
0 Comentários

Imprimir ou salvar em pdf

Leia Também

Postagens mais visitadas